2019-06-10

Authors

Suelen Silva
holds an MA in Anthropology with specialization in Management and Cultural Policies (Girona Universitat and Itaú Cultural) and in Community-Based Cultural Management (FLACSO Argentina). Currently she is a German Chancellor Fellow of Humboldt Foundation and is developing the project PDCULT - Policies, Decentralization and Culture. She lives in Germany and was born in Belém, a city in Amazonia, Brazil. 
Cultural Policies in Global Context

Useful recommendations and the last Global Report of the 2005 Convention

Ratified international conventions are one of the most important instruments on cultural policies. For instance, the 2005 Convention for the Protection and Promotion of the Diversity of Cultural Expressions aims to contribute to culture and development worldwide. But how exactly do such agreements work? How can they benefit a balanced global art economy and how can arts and cultural professionals make use of them for their own practices?
A brief introduction on international conventions for culture
 
Cultural policy can be defined as the set of measures, actions or programs implemented by different actors with the goal of ensuring people’s cultural rights, such as: to be respected in one’s identities, heritage and cultural communities; to access and participate in cultural activities with freedoms of creation and speech; to have education to one’s full development; to have free and plural information and communication, among others.
 
In order to put cultural policies in practice, a series of legislation, rules or recommendations (at the local, regional, national, and international levels) may be and are claimed by civil, public or private actors when needed. Some of the main international legal instruments in the field, which began to be designed during the post-World War II period, are the conventions listed below:
 
  • Protection of Copyright and Neighbouring Rights (1952, 1971);
  • Protection of the World Cultural and Natural Heritage (1972);
  • Protection of the Underwater Cultural Heritage (2001);
  • Safeguarding of the Intangible Cultural Heritage (2003);
  • Protection and Promotion of the Diversity of Cultural Expressions (2005).
When a country ratifies an international convention, it becomes legally-binding responsible for seeking to attain the objectives defined therein, as well as for generating public information that will enable the monitoring of its performance, success, and needed improvements.
 
There are other instruments with less geographical scope, but not less important. The European Union, for instance, also has a Convention for the Protection of Audiovisual Heritage (2001) and for Cinematographic Co-Production (1992). 
 
The UNESCO 2005 Convention on the Diversity of Cultural Expressions is one of the main existing international agreements in the field of cultural policies. It has been signed by 146 out of 193 countries in the world, including all EU countries and nearly all Latin American countries (full list). These countries are sovereign to adopt the measures and policies they consider necessary to attain the goals listed in the convention.
 
The 2005 Convention
 
The UNESCO 2005 Convention aims to foster the recognition that investment in culture and creativity is also an investment in sustainable development, since these fields inspire to reflect our times, to foster intercultural exchanges/ dialogues and to propose questions or solutions for local and global challenges. In a connected world like ours, the 2005 Convention wants to encourage the development of cultural policies and measures to provide creatives and arts professionals the possibility to participate in the domestic and international scene, and to make their creations more accessible to broader audiences. In this sense, said Convention addresses culture in contemporaneity and its transmission. Its main goal is to "strengthen the five inseparable links of the same chain: creation, production, distribution/ dissemination, access, and enjoyment of cultural expressions transmitted through cultural activities, goods, and services”.
 
The Convention considers as essential values for its application: respect for human rights and fundamental liberties; sovereignty of countries; equal dignity and respect for all cultures; international solidarity and cooperation; supplementary relation between economic and cultural aspects for development; sustainable development; equal access; and the principle of openness to cultures and balance. The document is not limited to addressing federal governments’ actions. On the contrary, it invites governmental and non-governmental actors to contribute to attaining the specific goals described below (which are also related to the 2030 Agenda for Sustainable Development):
 
  • strengthen governance of culture, fostering cultural policies that are more collaborative and that recognize the participation of civil society, as well as of policies suitable for the current technological realities;
  • attain a balanced flow of cultural goods and services and improve the mobility of artists and culture professionals, in view of the existing discrepancies between the North and global South;
  • integrate the cultural dimension to sustainable development instruments, seeking balance in the distribution of cultural resources, the access of vulnerable groups to them, and the reduction of environmental impacts;
  • and promote human rights and the fundamental freedoms of speech, information, and communication, including the necessary gender equality and artistic freedom.
In practice, how is the 2005 Convention used?
 
In order to know whether cultural policy is attaining its purpose and to be able to improve it, one must define indicators that can be analyzed - that is, specific data that will be monitored during a certain period. To each goal of the 2005 Convention, a series of indicators was developed, which serve to monitor the measures the countries adopted to put the Convention - and its values - in practice. Examples of the core indicators (from the Monitoring Framework of the 2005 Convention):
 
  • Measures to strengthen the skills and capacities of civil society;
  • Policies and measures to support equity in the distribution of cultural resources and inclusive access to such resources;
  • Policies and measures to support the outward and inward mobility of artists and cultural professionals;
  • Operational programs to support the mobility of artists and cultural professionals, notably from developing countries;
  • Monitoring systems to evaluate levels of representation, participation and access of women in the culture and media sectors.
In a process that needs to include the participation of civil society, every four years the signatory countries have to send to UNESCO periodical reports informing what has been done to apply the Convention based on the defined indicators. These reports enable civil society and the government to evaluate together the work done in the period. Then, with the support of independent consultants, UNESCO generates a global report analyzing the world’s progress and remaining challenges. In 2018, the second global report entitled "Re-shaping cultural policies” was launched.
 
The Global Monitoring Report "Re-shaping Cultural Policies” (2018)
 
Some data worldwide
 
Launched in 2018, the latest report shows data and challenges to be overcome globally in the field of cultural policies. Some of them are:
 
  • In 2016, there were 115 freedom of information laws in place worldwide; despite of that, the state of media freedom worsened in 66% of the countries;
  • the rise of digital technology and large platforms is creating a market concentration. 95% of the value of the app economy is concentrated in only 10 countries;
  • artists from the global South are only eligible for 18% of available mobility funding from the global North. Besides that, there has been an increase in South-South mobility and cooperation;
  • the value of global exports of cultural goods has increased from US$ 212.8 (2013) to US$ 253.2 billion (2014). However, the share in global exports of cultural goods remains imbalanced: 73% for developed countries, 26,5% for developing countries and only 0,5% for least developed countries;
  • a gender gap persists in culture: for instance, of every five European films, only one is directed by women; women receive 75¢ for every dollar earned by male museum directors in North America; only 34% of Ministers for Culture are women;
  • attacks on artists continue to rise globally, from 40 attacks in 2014 to 430 attacks in 2016. However, the number of initiatives to support artists at risk has grown. There are residencies and safe heavens in over 80 cities that hosted more than 170 artists since 2006.
Key recommendations on cultural policies
 
All of this may seem distant from the every-day work conducted by countless creative and cultural actors, such as art institutions, cultural centers, local NGOs, city halls, city departments or foundations. But after reading the 2005 Convention and its monitoring reports, it is clear that society as a whole and its arts and cultural agents would benefit from solving the mentioned challenges and from attaining the goals of the Convention. In addition, they can contribute to how the convention is applied since they share the same values proposed in the document. This is not only because more diversity, intercultural dialogue and fair exchanges foster human and social development worldwide, but also because they impact positively the arts and cultural value chain. 
 
The Convention and its reports do not aim to give final answers or how to lists, but rather to invite the different actors to develop their own policies and management solutions based on guiding recommendations. These can be useful regardless of the type of the organization or agents, while others are aimed at strengthening the existence of actors, networks, and infrastructures.
 
For instance, the last report recommends social/ cultural actors (policy makers, arts and cultural professionals, civil society, government bodies and so on) to:
 
  • create strategies that enable the public to overcome obstacles related to price, distance, language, mobility etc.;
  • develop continuous participatory management processes;
  • promote understanding of environmental degradation and climate change, as well as create strategies for action with regards to the environmental impacts caused by cultural products and artistic practices;
  • remove obstacles in the career paths of women and people who identify themselves with other genders, so that they are able to produce, offer, and enjoy cultural goods and services;
  • introduce preferred treatment to favor mobility, flow, and support to the creation of global South artists;
  • create measures to promote and protect artistic freedom, including initiatives to recognize the situation of artists;
  • get involved in the design of and debate on policies and commercial treaties that may affect the cultural chain;
  • have decentralized cultural infrastructures (cultural spaces, libraries, rehearsal rooms etc.) to facilitate the distribution of arts and cultural goods;
  • promote cultural creativity and innovation in cities, in rural communities, and in cross-border regions;
  • strengthen networks and participation both in cities and rural areas as well as between them, and propose innovative paths through cultural and creative industries;
  • adopt digital plans and strategies to invest in local cultural production;
  • develop or participate in collaborative partnerships among the public, civil, and private sectors, including inter-sectoral partnerships with non-cultural organizations.
Since various countries have committed to the application of the 2005 Convention, said instrument is relevant for all cultural actors when planning, executing, establishing a dialogue, negotiating or, in the political arena, demanding improvements needed in the cultural field. For instance: some funding agencies already use the Convention and its goals as reference to evaluate project applications. Arts and cultural managers may use the data and recommendations from the monitoring reports as a reference when proposing new programs or actions. Civil society may negotiate with government body improvements considering the Convention’s goals (ratified by the countries). Besides that, several recommendations and references at the local, national, and international levels may be accessed in the monitoring report, in addition to being possible to follow what other countries and their actors are doing in terms of cultural policies. 
 
Final comments - or additional questions
 
As a not less important background question, the Convention and its monitoring report reinforce the need to recognize the distinct nature of cultural goods, services and activities. That is exhibitions, performance festivals, art and cultural organizations, among many other possible examples from the creative and cultural value chain, that offer not only market related commodities, services or goods, but are also vehicles of concepts - and as such have the power to reflect or (re)produce values and meanings.
 
Therefore, considering 1) the challenges and inequalities in the arts and cultural sector as presented in the last monitoring report; 2) that we live in a globalized world and in an increasingly internationally connected sector; one may ask:
 
  • Are we sufficiently aware of the sociopolitical implications of our work as makers or managers in the artistic and cultural sector, and especially if: a) we are working in the global north; b) if our work involves the exchange with agents/ resources of different communities or countries; c) or if we work from/ with institutions (always a sociopolitical structure)? In short, are we aware of the places of power and/ or agency that we occupy/ have as professionals of the mentioned sector?
  • From the space we occupy and act, what could we do differently in order to shape a better and fairer landscape for arts and cultural professionals and audiences?
  • With our current artistic and cultural practices, projects and policies, are we helping to (re)produce the mentioned inequalities, creating new ones or engaging to solve them?
  • What art and cultural field are we actually contributing to shape nowadays and for the future? 
The answers and solutions are not given, but we may create them if we have the commitment or courage to keep asking the questions. Just as art does.
 
Downloads & References
 
 
 
Portugese Version
 
POLÍTICAS CULTURAIS EM CONTEXTO GLOBAL. RECOMENDAÇÕES ÚTEIS E O ÚLTIMO RELATÓRIO GLOBAL DA CONVENÇÃO DE 2005
 
Convenções internacionais são um dos mais importantes instrumentos para políticas culturais. A Convenção de 2005 por exemplo objetiva contribuir para a cultura e desenvolvimento no mundo. Mas como exatamente elas funcionam? Como elas podem beneficiar o mercado artístico global e como profissionais da arte e da cultura podem fazer uso delas nas suas próprias práticas?
 
Uma breve introdução sobre convenções internacionais para a cultura
 
Política cultural pode ser definida como o conjunto de medidas, ações ou programas implementados com a intenção de garantir os direitos culturais das pessoas, como o direito: de serem respeitadas em suas identidades, patrimônios e comunidades culturais; de acessar e participar na vida cultural com liberdade de criação e expressão; de ter educação para o seu pleno desenvolvimento; de ter informação e comunicação livre e pluralista, entre outros.
 
Para colocar políticas culturais em prática, uma série de legislações, normas ou recomendações (em nível local, regional, nacional e internacional) podem e são acionadas pelos agentes civis, públicos ou privados quando necessário. Alguns dos principais instrumentos legais internacionais na área, que começaram a ser elaborados no período pós Segunda Guerra, são as convenções listadas abaixo: 
 
  • Convenção Universal sobre Direitos Autorais (1952, 1971);
  • Convenção para a Proteção do Patrimônio Mundial, Cultural e Natural (1972);
  • Convenção para a Proteção do Patrimônio Cultural Subaquático (2001);
  • Convenção para Salvaguarda do Patrimônio Cultural Imaterial (2003);
  • Convenção sobre a Proteção e Promoção da Diversidade das Expressões Culturais (2005).
Quando um país ratifica uma convenção internacional, ele se compromete legalmente em buscar atingir os objetivos nela definidos, bem como gerar informações públicas que permitam monitorar o seu desempenho, sucessos e necessidades de melhoria. 
 
Existem outros instrumentos com abrangência geográfica menor mas não menos importantes. Por exemplo, a União Europeia possui também uma Convenção para a Proteção do Patrimônio Audiovisual (2001) e para a Coprodução Cinematográfica (1992).
 
A Convenção de 2005 da Unesco destaca-se como um dos principais instrumentos internacionais existentes na área das políticas culturais. Ela foi assinada por 146 dos 193 países no mundo, incluindo todos os países da União Europeia e quase todos os da América Latina (lista completa). Esses países tem soberania para adotar as medidas e políticas que julgarem necessárias para alcançar os objetivos elencados na Convenção.
 
A Convenção de 2005
 
A Convenção de 2005 da UNESCO objetiva fortalecer o reconhecimento de que o investimento em cultura e criatividade é também um investimento em desenvolvimento sustentável, uma vez que elas inspiram a refletir a nossa época, a realizar trocas/diálogos interculturais e a propôr questões ou soluções para desafios locais e globais. Em um mundo conectado como o nosso, a Convenção de 2005 quer encorajar o desenvolvimento de medidas e políticas culturais que proporcionem aos profissionais da área a possibilidade de participar na cena doméstica e internacional, bem como fazer com que suas criações sejam acessíveis para audiências mais amplas. Nesse sentido, a referida Convenção se volta para a cultura na contemporaneidade e sua transmissão. Ela tem como objetivo principal "fortalecer os cinco elos inseparáveis da mesma corrente: a criação, a produção, a distribuição/disseminação, o acesso e o usufruto das expressões culturais veiculados por atividades, bens e serviços culturais” (Convenção de 2005).
 
Para a sua aplicação, a Convenção de 2005 considera como valores essenciais: o respeito aos direitos humanos e às liberdades fundamentais; a soberania dos países; a igual dignidade e o respeito por todas as culturas; a solidariedade e cooperação internacionais; a relação complementar entre aspectos econômicos e culturais para o desenvolvimento; o desenvolvimento sustentável; o acesso equitativo; e o princípio de abertura às culturas e equilíbrio. O documento não é voltado somente para a ação de governos federais. Pelo contrário, ele convida à contribuição atores governamentais e não governamentais para poder alcançar os objetivos específicos abaixo (os quais se relacionam também com a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável):
 
  • fortalecer a governança para a cultura, incentivando políticas culturais mais colaborativas e que reconheçam a participação da sociedade civil, bem como políticas adequadas às realidades tecnológicas atuais;
  • alcançar um fluxo equilibrado de bens e serviços culturais e a melhoria da mobilidade dos artistas e profissionais da cultura, considerando as discrepâncias existentes entre Norte e Sul global;
  • integrar a dimensão cultural nos instrumentos de desenvolvimento sustentável, buscando um equilíbrio na distribuição de recursos culturais, o seu acesso pelos grupos vulneráveis e a redução dos impactos ambientais;
  • e promover os direitos humanos e as liberdades fundamentais de expressão, informação e comunicação, incluindo a necessária igualdade de gênero e liberdade artística.
Na prática, como a Convenção de 2005 é utilizada?
 
Para saber se uma política cultural está alcançando o seu propósito ou não e poder aprimorá-la, é preciso definir indicadores que possam ser analisados, isto é, dados específicos que serão monitorados por determinado período. Para cada um dos objetivos da Convenção de 2005, uma série de indicadores foram propostos, servindo para monitorar as medidas que os países adotaram para colocar a Convenção - e os seus valores - em prática (mais informações sobre os indicadores).
 
Alguns exemplos dos principais indicadores adotados (do Quadro de Monitoramento da Convenção de 2005):
 
  • Medidas para fortalecer as habilidades e capacidades da sociedade civil;
  • Políticas e medidas para apoiar a equidade na distribuição de recursos culturais e acesso inclusivo a tais recursos;
  • Políticas e medidas de apoio à mobilidade externa e interna de artistas e profissionais da cultura;
  • Programas operacionais para apoiar a mobilidade de artistas e profissionais da cultura, especialmente de países em desenvolvimento;
  • Sistemas de monitoramento para avaliar os níveis de representação, participação e acesso das mulheres nos setores de cultura e mídia.
Em um processo que precisa incluir a participação da sociedade civil, a cada quatro anos os países submetem à Unesco relatórios periódicos informando o que foi feito para aplicar a Convenção, tendo por base os indicadores definidos. Esses relatórios permitem que a sociedade civil e o governo avaliem juntos o trabalho realizado no período (os relatórios dos países). A partir daí, com o apoio de consultores independentes a UNESCO gera um relatório global, onde são analisados os progressos e os desafios que persistem no mundo. Em 2018 foi lançado o segundo relatório global, intitulado "Re-pensar as Políticas Culturais” (baixe aqui o relatório, disponível em 12 idiomas). 
 
Alguns dados mundiais
 
Publicado em 2018, o ultimo relatório apresenta dados e desafios a serem superados globalmente no campo das políticas culturais. Alguns deles a seguir:
 
  • Em 2016, havia 115 leis de liberdade de informação em vigor em todo o mundo. Apesar disso, a situação de liberdade da mídia piorou em 66% dos países;
  • O surgimento da tecnologia digital e das grandes plataformas está criando uma concentração de mercado. 95% do valor da economia de aplicativos está concentrado em apenas 10 países;
  • Artistas do Sul global só são elegíveis para 18% do financiamento de mobilidade disponível do Norte global. Além disso, houve um aumento na mobilidade e cooperação Sul-Sul;
  • O valor das exportações mundiais de bens culturais aumentou de US$ 212,8 (2013) para US$ 253,2 bilhões (2014). No entanto, a participação nas exportações mundiais de bens culturais permanece desequilibrada: 73% para os países desenvolvidos, 26,5% para os países em desenvolvimento e apenas 0,5% para os países menos desenvolvidos;
  • Existe um desequilíbrio de gênero na cultura: por exemplo, para cada cinco filmes europeus, apenas um é dirigido por mulheres; as mulheres recebem 0,75 centavos por cada dólar ganho por diretores (homens) de museus na América do Norte; apenas 34% dos ministérios da cultura são chefiados por mulheres;
  • Os ataques contra artistas continuam a aumentar globalmente, de 40 ataques em 2014 para 430 ataques em 2016. No entanto, o número de iniciativas para apoiar artistas em risco aumentou. Há residências e abrigos seguros em mais de 80 cidades que receberam mais de 170 artistas desde 2006.
Principais recomendações para políticas culturais
 
Tudo isso talvez pareça distante do trabalho cotidiano de inúmeros agentes criativos e culturais, como instituições artísticas, centros culturais, ONGs locais, prefeituras, secretarias ou fundações. Mas após a leitura da Convenção de 2005 e seus relatórios de monitoramento, fica perceptível que a sociedade como um todo e seus agentes culturais se beneficiariam com a solução dos desafios acima elencados e com o alcance dos objetivos listados pela Convenção. Não apenas porque mais diversidade, diálogo intercultural e intercâmbios justos promovem o desenvolvimento humano e social ao redor do mundo, mas também porque tudo isso impacta positivamente a cadeia artística e cultural.
 
A Convenção e seu relatório não objetivam dar respostas finais ou listas de "como fazer", mas sim convidar os diferentes atores e países a desenvolver suas próprias políticas e soluções de gestão baseando-se em algumas recomendações. Essas recomendações podem ser úteis independente do tipo de organização ou agente, enquanto outras foram feitas no sentido de fortalecer a existência de atores, redes e infraestruturas.
 
Por exemplo, o último relatório recomenda atores sociais/culturais (fazedores de políticas, profissionais da arte e da cultura, sociedade civil, agentes governamentais etc) a:
 
  • Criar estratégias que permitam ao público superar obstáculos criados pelo preço, pela distância, pela língua, pela mobilidade etc.;
  • Desenvolver processos de gestão participativos contínuos;
  • Promover a compreensão sobre a degradação ambiental e as mudanças climáticas, bem como criar estratégias de ação a respeito dos impactos ambientais provocados por produtos culturais e práticas artísticas;
  • Remover impedimentos que estejam no caminho de mulheres e pessoas que se identificam com outros gêneros, para que possam produzir, fornecer ou desfrutar de bens e serviços culturais;
  • Introduzir medidas de tratamento preferencial que favoreçam a mobilidade, fluxo e apoio à criação de artistas do Sul global;
  • Criar medidas para promoção e a proteção da liberdade artística, incluindo iniciativas para o reconhecimento da situação de artistas;
  • Envolver-se na formulação e debate de políticas e tratados comerciais que possam afetar a cadeia cultural;
  • Possuir infraestruturas culturais descentralizadas (espaços culturais, bibliotecas, salas de ensaio etc) para facilitar a distribuição das expressões culturais;
  • Promover a criatividade cultural e a inovação nas cidades, nas comunidades rurais e nas regiões transfronteiriças;
  • Fortalecer redes e participação nas cidades e nas zonas rurais e entre elas, para propor caminhos inovadores por meio das indústrias culturais e criativas;
  • Adotar planos e estratégias digitais para investir na produção cultural local;
  • Desenvolver ou participar de parcerias colaborativas entre os setores público, civil e privado, inclusive parcerias intersetoriais com organizações não culturais.
Uma vez que diversos países se comprometeram a aplicar a Convenção de 2005, esse instrumento é relevante para todos os agentes culturais no momento de planejar, realizar, dialogar, negociar ou, na arena política, demandar junto às instâncias competentes melhorias na área cultural. Por exemplo, algumas agências de financiamento já usam a Convenção e seus objetivos como referência para avaliar a candidatura de projetos. Profissionais da área de gestão artística e cultural podem utilizar os dados e as recomendações do relatório de monitoramento como uma referência extra no momento de propôr programas ou ações. A sociedade civil pode negociar com o setor governamental melhorias na área considerando os objetivos da Convenção (ratificada pelos países). Além disso, diversas outras recomendações nos níveis locais, nacionais e internacionais podem ser acessadas no relatório, além de ser possível acompanhar o que está sendo realizado nos demais países em termos de políticas culturais.
 
Comentários finais - ou perguntas adicionais
 
Como uma questão de fundo não menos importante, a Convenção e seu relatório de monitoramento reforçam a necessidade de reconhecer a natureza distinta de bens, serviços e atividades culturais. Isto é: exposições, festivais, organizações artísticas e culturais, entre muitos outros exemplos possíveis da cadeia criativa e cultural, são ou oferecem não apenas commodities, serviços ou bens que se relacionam ao mercado de consumo, como também veiculam conceitos - e como tal tem o poder de refletir ou (re)produzir valores e significados.
Portanto, considerando: 1) os desafios e desigualdades que ainda existem no setor artístico e cultural conforme apresentado no último relatório de monitoramento; 2) que nós vivemos em um mundo inegavelmente globalizado e trabalhamos em um setor cada vez mais internacionalmente conectado; é válido perguntar:
 
  • Nós estamos suficientemente cientes das implicações sociopolíticas do nosso trabalho como fazedoras(es) do setor artístico e cultural, e especialmente se: a) estamos trabalhando a partir do norte global ou de países desenvolvidos; b) se nosso trabalho envolve a troca com fazedores/recursos de distintas comunidades ou países; c) ou se trabalhamos a partir/com instituições (uma estrutura sempre sociopolítica)?; Em resumo, estamos cientes dos lugares de poder e/ou agência que ocupamos/temos enquanto profissionais do setor?
  • Do espaço que ocupamos e agimos, o que poderíamos fazer diferente a fim de criar uma paisagem melhor e mais justa para audiências e profissionais da arte e da cultura?
  • Com as nossas atuais práticas, projetos e políticas artísticas e culturais, nós estamos ajudando a (re)produzir as desigualdades antes mencionadas, a criar novas, ou estamos nos engajando para solucioná-las?
  • Que setor artístico e cultural nós estamos constituindo na atualidade e ajudando a construir para o futuro? 
As respostas e soluções não estão dadas, mas podemos criá-las se tivermos o compromisso e a coragem de continuar fazendo as perguntas. Assim como a arte faz.
Comments (0)
There are no comments for this content yet.